O Chocolate em tempos de pandemia

Em 2002, realizou-se o primeiro Festival Internacional de Chocolate de Óbidos. Até então, nunca se tinha feito um evento em Portugal dedicado ao Chocolate. Na preparação deste evento, ninguém suspeitava da dimensão do sucesso que estava prestes a acontecer. Esta primeira edição – que fica para a história como aquela em que as autoridades decidiram fechar a autoestrada A8 quando já tinha cerca de 5Km de fila para cada lado, tal era a afluência-, o, então, presidente da Câmara Telmo Faria, apelou aos microfones de uma rádio nacional a que não viessem mais visitantes para Óbidos, tal era enchente nas ruas da Vila.

Um evento que nasce com esta marca identitária de sucesso está fadado a grandes conquistas. Depois desta inusitada e surpreendente primeira edição outras se lhe seguiram com programas, formatos, chocolatiers, concursos e exposições que, aos longo dos anos, se diversificaram, se reinventaram e se renovaram a cada vez que o certame abriu ao público. Apenas em 2007 por uma mudança estratégica de datas, de modo a conciliar o calendário anual de eventos em Óbidos, não se realizou esta celebração.

Este ano de 2020 será a segunda vez que não se realiza a edição anual do Festival de Chocolate de Óbidos, por razões que todos conhecem e que foram impostas por circunstâncias absolutamente anormais, até há pouco tempo imprevisíveis para todos nós e que nos foram ditadas inapelavelmente pela pandemia do Covid-19.

Os nossos desejos e expectativas projetam-se agora para 2021. Devemos isso, em primeiro lugar, ao nosso público, que sempre nos acompanhou e fez deste evento o grande expoente dos certames dedicados ao chocolate em Portugal. Mas também por solidariedade, amizade e gratidão para com os nossos parceiros, todos eles: desde os pequenos artesãos chocolatiers que preparam meticulosamente os seus produtos e a sua participação, às grandes marcas que nos acompanham, aos fornecedores, que nos ajudam a ter tudo pronto em tempo útil, à comunicação social que nos divulga, às escolas que mostram o melhor do ensino, da investigação e do desenvolvimento desta iguaria na área académica, e devemo-lo aos mestres, que nos brindam com as criações mais recentes na exposição de esculturas ou num dos palcos.

São muitas as pessoas e instituições que permitem transformar Óbidos na capital do chocolate, por alguns dias, e a quem penhoramos a nossa determinação de voltarmos a abrir portas.

Queremos regressar no princípio do próximo ano com a 18ª edição, que estávamos a preparar com todo o cuidado e carinho. Uma parte do trabalho que está feito não se perde, apenas se adia.

Iniciámos, em 2016, um novo ciclo que tem vindo a evoluir e a mostrar frutos, em sequência de algumas transformações inevitáveis. Assumimos estratégias, valores e objetivos que se têm vindo a revelar qualificantes para o padrão do consumo de chocolate, em Portugal. Acreditamos no crescimento do sector pasteleiro pela qualificação e valorização crescente dos chocolatiers portugueses. Apostamos na revelação do potencial económico do chocolate para os profissionais e para os empresários. Trazemos mais valor ao sector oferecendo-lhe criatividade.

Sabemos que o mundo vai continuar a gostar de chocolate. E, no próximo ano, voltaremos todos, ainda mais determinados.

Óbidos, 24 de Abril de 2020.
Alexandre Ferreira, Administrador Executivo da Óbidos Criativa, E.M.
Lino Romão, Curador do Festival Internacional de Chocolate de Óbidos
Os colaboradores da Óbidos Criativa, E.M.